10 outubro 2009

Ágiles2009 em Florianópolis deu um banho

Uau! A Conferência Latino-Americana de Sobre Metodologias Ágeis Ágiles2009 foi muito melhor do que eu esperava. Várias apresentações muito interessantes e uma oportunidade de ouro de conhecer as pessoas da região que realmente se importam com desenvolvimento de software.

Brian Marick começou com um keynote interessante discutindo como a esposa dele, que é veterinária, ensina a prática para os estudantes. Ele explicou sobre a metodologia de documentação SOAP (Subjective Objective, Assessment and Plan) para acompanhamento dos animais e como é difícil transferir a noção subjetiva para estes estudantes. Brian argumentou que os desenvolvedores de software precisam se espelhar nas experiências de transferência da habilidade de outras profissões.

Alisson Vale matou a pau tentando passar uma quantidade absurda de informação em 45 minutos explicando Kanban desde o começo. É incrível que mesmo assim tenha conseguido deixar todos bem embasados nesta reinterpretação do Lean que é o Kanban.

Thomas Looy fez uma apresentação espetacular mostrando num exemplo prático o efeito de não respeitar o TOC (teoria das restrições) e trabalhar com acúmulo de WIPs por tentar maximizar um desempenho local. É basicamente o segredo do Lean: otimização local gera desperdício, e deixar pessoas ociosas as vezes é mais econômico que fabricar estoque de trabalho inacabado.

Thomas ainda disse umas 10 vezes: "é essencial a gestão visual". Todos tem que ter como ver o Kanban. O Kanban é que vai mostrar os WIPs e as ineficiências.

Alexandre Magno e Manoel Pimentel fizeram um bate-bola sobre as dificuldades das implantações de Scrum e XP. Comentaram bastante da dificuldade de mudar a cultura da empresa e do mercado para aceitar os preceitos e deu para ver que a dificuldade de mudar as organizações é um problema muito sério que está gerando frustrações aos consultores e desenvolvedores em geral.

O Keynote do final de quinta foi de Roy Singham transformando a causa dos agilistas numa cruzada moral que mudará o mundo e o transformará num mundo melhor, onde a lógica do capitalismo e do controle cartesiano das organizações estarão mais sobre controle. Meteu pau nas montadoras de carros americanas e disse para espelharmos na Toyota para prepararmos a nossa revolução.

A paixão de Ray é contagiante por causa da paixão que ele transpira... Tão contagiante que por pouco não saí marchando para enviar meu currículo para a ThoughtWorks no instante final que ele anunciou a montagem do escritório em Porto Alegre. :-) Adorei o cara...

Um caso interessante disso foi a apresentação do Tiago Garcez discutindo as diversas concessões para tentar viabilizar o desenvolvimento ágil da parte de TI da Belgian Post que, mesmo depois de um período de relativo sucesso, uma mudança de diretoria parece querer a volta do Waterfall e da ilusão de controle. A frustração é evidente...

Para contrabalançar, David Hussman deu uma palestra excepcional destruindo os dogmas que estão se enraizando na comunidade de desenvolvimento ágil e a preocupação de viabilizar o processo de mudança. Insistiu bastante que a ortodoxia não deveria ter espaço e que a mudança tem que ter foco nas pessoas, sejam os desenvolvedores ou seus gestores.

David falou bastante da construção do "groove" que pode caber na sua empresa: olhar de longe e perceber o que o grupo tá precisando para ser mais ágil e ajudar o grupo nesta mudança escolhendo um ou outro item por vez que provoque o maior retorno possível ao grupo em pouco tempo.

A metáfora do "groove" é poderosa e ele compara com a construção de um ambiente para que uma banda consiga compor e tocar num ambiente confortável e acolhedor para a banda. E como ele tocou numa banda por cerca de 10 anos, pode falar com propriedade sobre a semelhança destas situações.

O painel final fechou a conferência de forma muito legal. Marick, Larsen, Hussman, Singham, Kerievsky e Samuel Crescêncio discutiram sobre a experiência da conferência aqui na América do Sul e da oportunidade que temos para participar desta experiência mundial da briga pelo Lean e Ágil. Reclamaram que o Ricardo Semler é uma referência lá fora por causa do livro "Maverick" e que é considerado um agilista corporativo e que nós aqui no brasil quase não damos valor.

Discutiram um monte novamente sobre a dificuldade de mudança das organizações, levando o Brian Marick a mandar todo mundo se liberar da escravidão e montar empresas de 12 pessoas escrevendo aplicações hospedadas de RubyOnRails... Caí na gargalhada com todo mundo lá... :-)

Parece que o Ágiles2010 vai ser em Perú em Lima... Pô, é longe... Mas quem sabe... :-)

2 comentários:

Rafael Pina Pereira disse...

Opa! Pelo visto foi muito bom, legal. Mas nada desta história de currículo ;-). Peru? Ótimo, lá tem muitas montanhas pro escalar!!!

andrefaria disse...

Muito bom! Esse ano não deu pra ir, mas quem sabe no que vem....