15 maio 2011

A minha experiência com o Kindle da Amazon.


O Kindle da Amazon está custando cerca de R$500,00 incluindo transporte e taxas para Brasil, o que é um preço bem interessante apesar da quantidade de impostos no preço original de U$139,00.

Adquiri o meu a um pouco mais de um mês e achei um ótimo equipamento para leitura. O display baseado em e-ink é show, tem uma definição incrível e torna a leitura muito agradável.

Como não emite luz, é necessário o uso de um spot de luz para poder ler na cama como qualquer bom livro.

A conectividade por Wifi é mais que suficiente, e não vejo justificativa para o uso da versão com 3G a não ser se você realmente vive viajando. Ainda assim, acredito não haver dificuldade de achar Wi-Fi nos hotéis por aí.

Além disso, a conveniência do WhisperNet, que é o protocolo de comunicação com os servidores da Amazon, só é realmente justificada para os livros comprados pela mesma. PDFs, CHMs, LITs e outros livros eletrônicos obtidos de outras formas são mais convenientemente enviados por USB usando um software como o Calibre.

O software Calibre é bem completo, implementando a conversão de formatos de livros e também construir edições limitadas de jornais periódicos consultando diretamente os sites na Internet.

O formato nativo usado pelos livros vendidos pela Amazon é o AZW, só que este formato é proprietário e possui DRM. O melhor formato aberto para usar no Kindle é o MOBI que fica perfeito no Kindle, preservando toda a navegabilidade dentro do documento.

Todos os Kindles vendidos recentemente já nativamente suportam o formato PDF, entretanto é extremamente inconveniente de ler. O PDF descreve o desenho da página e não permite a alteração das quebras de linhas dentro das mesmas tornando muito difícil de se ler, pois para caber a linha inteira é necessário trocar a orientação da tela do Kindle e reduzir o tamanho da fonte para um ponto bastante desconfortável para a leitura.

O Calibre consegue fazer conversões do PDF para o MOBI, mas os resultados são variáveis, indo as vezes de conversões perfeitas a conversões aonde o documento é destruído.

A principal desvantagem do Kindle para um brasileiro é que ele é incompatível com o DRM da Adobe, que é o esquema adotado pelas livrarias brasileiras para distribuição de e-books em português. Isto nos obriga a leitura de livros em Inglês, o que é bacana para quem já tem alguma fluência, permitindo a leitura antes da tradução muitas vezes mal feita aqui no mercado brasileiro.

Existem leitores de Kindle para PC, para iPad e para dispositivos Android permitindo ler os livros em praticamente qualquer dispositivo a sua mão hoje em dia, mas o Kindle verdadeiro é único por uma série de razões:
  • dá para ler até no sol;
  • a bateria deve durar um mês com o Wifi desligado;
  • é pequeno e leve;
  • não é tão caro;
  • apesar de ter um browser Web, é tão lento e desconfortável para este uso que você não vai ficar chaveando para ver se chegou um e-mail ou um novo twitter.
E este último item é incrivelmente uma grande vantagem. Nesta vida aonde tudo a nossa volta fica nos interrompendo e destruindo a nossa habilidade de se concentrar e se envolver numa obra escrita, o Kindle permite você se enfurnar num quarto fechado e se envolver apenas com os nossos próprios pensamentos por um bom tempo.

Um comentário:

Sergio A. disse...

Esta é a melhor análise que eu já vi sobre o Kindle. Valeu, Ferrari!